Salò – ou os 600 dias da República Social Italiana

Salò

1943: os alemães já haviam sido derrotados em Stalingrado e o desfecho da Segunda Guerra Mundial já se delineava.

Benito Mussolini (il Duce), que dava as cartas no Reino da Itália (era primeiro-ministro desde 1922, nomeado pelo Rei Vittorio Emanuele III), contrariando seus apoiadores, levou as frágeis tropas italianas à guerra, permitindo que os Aliados invadissem e passassem a controlar a Sicília. Como consequência, foi deposto pelo Grande Conselho Fascista em julho de 1943 e enviado à prisão de Gran Sasso, na região do Abruzzo.

A Itália, agora comandada pelo Marechal Pietro Badoglio, rendeu-se incondicionalmente aos Aliados em 8 de setembro de 1943.

Essa rendição prejudicava os planos de Hitler. Em resposta, as tropas nazistas imediatamente ocuparam Roma e tomaram o controle do norte da Itália.

Numa operação comandada pela SS, Mussolini foi resgatado da prisão em 12 de setembro do mesmo ano, sem que os guardas italianos oferecessem resistência.

Mussolini
Mussolini com os soldados da SS, logo após ser libertado da prisão (foto: Associated Press)

Como o norte da Itália estava sob controle nazista, Mussolini obteve proteção para criar, em 23 de setembro de 1943, a República Social Italiana (RSI), na cidade de Salò, às margens do Lago di Garda.

Mapa RSI Bandeira RSI

A RSI, também conhecida como República de Salò (apesar dos ministérios estarem espalhados pelas cidades do norte da Itália) era uma tentativa de revitalizar o fascismo, mas não passava de um governo fantoche da Alemanha nazista, criado com o objetivo de cobrir os custos da manutenção das tropas alemãs na Itália. De fato, o governo era controlado pelos alemães.

Enquanto a RSI tentava obter um pouco de autonomia em relação aos alemães, a população italiana se organizava no movimento de resistência (movimento partigiano) e colaborava com os Aliados que finalmente conquistaram Milão no fim de março de 1945.

Mussolini ainda tentou negociar sua rendição mas, com a capitulação das tropas alemãs, tentou fugir para Suíça num comboio de soldados alemães, na companhia de sua amante Clara Petacci. O comboio foi interceptado por partigiani, Mussolini foi reconhecido e fuzilado juntamente com Clara Petacci. Era 28 de abril de 1945 e o fim da República Social Italiana.

No dia seguinte, os corpos foram expostos pendurados de cabeça para baixo na Piazzale Loreto, em Milão.

Mussolini - corpo exposto em Milão
(foto: Associated Press)

Pouco se fala sobre a República Social Italiana, daí eu ter me alongado no contexto histórico. Afinal, foi a História que me levou a visitar Salò, uma cidade bastante elegante que, se não totalmente negligenciada pelos guias turísticos, recebe apenas umas poucas linhas sobre sua localização.

salò mapa

Mas, afinal, o que tem de interessante em Salò?

Duomo di Salò

O principal ponto turístico da cidade é sua catedral (Duomo di Salò), consagrada a Santa Maria Annunziata. Sua construção em estilo neogótico, com alguns detalhes renascentistas, data da metade do século XV . E sua fachada permanece inacabada.

Duomo di Salò
Fachada da Catedral de Salò

Há na Catedral um belo altar veneziano.

Altar Veneziano e o Crucifixo
O altar, com o crucifixo de Giovanni Teutonico, encomendado pela cidade de Salò em 1449.

Para mais informações (em italiano) e endereço, acesse a guia “Il Duomo di Salò” no site oficial da Catedral: http://www.parrocchiadisalo.it/lagodigarda/il-duomo.html

Ateneo di Salò

É a mais antiga instituição cultural de pequena cidade, fundada em 1564.

Ateneo Ateneo 2

O imóvel onde se localiza o Ateneo (na via Fantoni, 49) abriga, além de uma rica biblioteca, o Museo Storico del Nastro Azzurro (http://www.museonastroazzurro.it/), o Centro de Estudos e Documentação sobre o período histórico da República Social Italiana (http://www.centrorsi.it/notizie/) e diversas outras instituições.

O Museo di Salò

Não pude visitar esse museu porque ele foi inaugurado muito recentemente, em 6 de junho de 2015. Conta a história da cidade que era capital da Magnifica Patria (que reunia as cidades da região de Brescia e fundada entre os anos de 1300 e 1380) e depois anexada à Serenissima Repubblica di Venezia. (Bom motivo para voltar a Salò…)

Conforme informações do site (http://www.museodisalo.it/ – acesse para saber endereço, horários de abertura, etc.), há visitas guiadas que incluem também o centro histórico da cidade.

A Prefeitura de Salò disponibiliza para download roteiros (informações e mapa) para conhecer os principais pontos turísticos da cidade (para facilitar, acesse-os: Visitare Salò e Mapa Turístico de Salò).

Outras fotos de Salò:

E, finalmente, Salò também serviu de inspiração para o último filme do cineasta italiano Pier Paolo Pasolini, filmado em 1975, baseado no livro Os 120 dias de Sodoma, do Marquês de Sade.

Salò ou os 120 dias de Sodoma é um filme polêmico e perturbador até os dias atuais. Para quem tem estômago pouco sensível e se despe de preconceitos ao assistir uma obra de ficção, o link para o filme, na íntegra, é este: https://vimeo.com/68045309 (atenção à classificação etária: 18 anos).

Se você já conheceu a cidade ou se pretende conhecê-la, comente!

E até a próxima!

(créditos das fotos: Monika Tognollo. A reprodução deste artigo ou das fotos sem os devidos créditos é proibida.)

Anúncios

Um pensamento sobre “Salò – ou os 600 dias da República Social Italiana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s